quinta-feira, outubro 20

+1a



Acordo
Ligo a TV
Sinto uma pressão enorme que vem de lá pra cá
E vice versa
Vejo um corpo
Ele está deitado e chora
Por alguém que foi embora
Contra sua vontade
Sento na cama
Aumento o volume
E muitos corpos gritam
Abaixo o volume
Mas ainda escuto os corpos
Vejo que eles passam em quantidade
Diariamente
Não é porque eles querem
Contra sua vontade
Falta o ar
Falta ligação
Falta palavra
Ou até mesmo permissão
Desligo
Olho o chão e sinto gelado
Me troco até o pescoço
Sem que um fio saia do coque
Bolsa, papel, tesoura, canetas, livros, palha...
Uma infinidade de detalhes que eu entendo
De longe a maçaneta da porta me olha com aflição
Seguro forte
Rodo
Saiu
Rodo
Respiro
Surpresa
Novidade
Asfixia
Pra atravessar a rua é um horror
Ando depressa
Alguém me fareja, me quer por minutos
Me come com os olhos
Me proporciona o prazer do medo
Até que o dia vira madrugada
Eu volto
E posso me transfigurar
Nada de fio preso
Nada de linho até o pescoço
Mas a minha cama é perto da janela
E depois dela
Ainda prevejo olhares
Preciso dormir coberta
Se não quiser morrer de calor
Ligo a TV
Um pouco de entreter
Mas vejo você meter o nariz onde não deveria
E você sabe que não deveria
Espero a notícia sobre mim
Mas não falam sobre a gente na TV
Eles comentam e logo depois falam sobre o Natal
Sinto raiva
Ai eu choro
Lembro que o dia de amanhã pode piorar
Mas ai eu ligo pra gente
Vejo que de você e de mim tem muito a ver
E que somos tantas que não dá pra contar
São detalhes que só a gente sabe
E a TV não sabe/não quer (?) contar
Mas sobre nós a gente conhece
Só precisamos, então
(Des)ligar



Marina Lua Ramos

*ExperimentAMO
* Fotografia Gi Rodrigues ♡
* Agoceta - Festival Elas Por Elas


Nenhum comentário:

Postar um comentário