terça-feira, junho 26

Hoje eu acordei.




   Hoje eu acordei preocupado, não tinha certeza se era mesmo verdade tudo aquilo que aconteceu ontem comigo. Ou melhor, ontem não, há tempos aquilo estava na minha cabeça, rondando o meu corpo, a minha alma e os meus sentimentos que não vivem à sós. Ontem, é só uma maneira egoísta de contar o quanto eu demorei pra entender isso. Agora a incerteza percorre as minhas veias que estão saltando dos meus braços, da minha memória, da minha cabeça. Estou explodindo por dentro e tento omitir tudo isso por fora. Será mesmo preciso exigir tanto de mim? Será necessário mentir sobre isso? A verdade é que agora eu estou completamente, indeciso.

   Hoje eu acordei preocupado. O que eu quero contar é indescritível, ou incontável, são sentimentos involuntários. E sentimentos assim não se descrevem, não se entendem... São sentidos. Aliás, nenhum sentimento. Há algum tempo eu tenho evitando assumir tudo isso. É que agora eu cresce mais, começo a andar com meus próprios pés, está "tudo" dando certo e eu - modestia parte - agora eu sou diferente, a beleza bateu na minha porta. Entende? Assumir isso agora é tão difícil pra mim quanto pra você ,que me parece agora tão compreensiva e sensível pra mim. Eu não sei o valor disso, mas é muito forte e agora ninguém mais pode se entrometer. Acho que isso somos nós dois, e mais ninguém.

   Hoje eu estou prestes a acordar pra um novo sonho, sim, eu estou dizendo tudo isso pra você. Hoje eu acordei prestes a fazer uma loucura. Eu ia embora e ia deixar a pessoa que me completa ir embora também, me deixar, eu ia te deixar. Mas eu percebe que eu preciso fazer isso, preciso ficar e te contar o que eu sinto. E eu já começei, e se eu não continuar... Eu não o farei mais. Você conhece o meu jeito, sabe dos meus gostos e sabe que eu te engano. Que engraçado isso, mesmo sabendo que eu te enganava quando dizia que fazia uma coisa e estava em outro lugar, você me recebia com um sorriso limpo e com tanto amor e atenção! E isso em deixava louco! Louco de raiva por você não admitir que estava com ciúmes e que estava triste por eu não te dar a atenção que merecia. Louco ainda mais por gostar tanto de você e quando  te ver isso ser único, ser nosso, ser tanto assim! Nós. Louco por quando estamos distantes você lembrar de mim, e eu pensar tanto em você, mas não dou o braço a torcer. Louco por ser um covarde e preferir a minha liberdade.

   Quando estou com você eu sempre pensava em te contar isso, mas eu precisava de um tempo. Um distanciamento. É que eu não consigo admitir, não sei se vai dar certo, ou vai dar tão certo que eu só tenha você e mais ninguém. E você vem com esse jeiitnho de que me quer tanto pra você e pergunta "Pra que tanto medo?". Eu realmente queria saber, mesmo não admitindo que não sinto medo. Eu faço a sua cabeça, mas eu sei que você não é besta e você me quer bem. Aqui eu já pensei em parar várias vezes, mas quando você me olha assim, eu sei que é preciso continuar. Será que a gente se engana? E você novamente não entende a minha "enrolação" e me diz que a nossa sorte é o nosso ascendente. Eu transformei tudo isso em cobrança, em algo tradicional, mas eu confirmo, somos um "casal" diferente.


 Hoje eu acordei preocupado, é que eu, tão certinho, doidinho e popular, estou completamente apaixonado por uma menina linda, simples, doidinha e que anda descalça por ai.




Marina Ramos