terça-feira, janeiro 29

Tão nós.




                                                       ***                                                                    

Ele disse que não ia me beijar
Mas ele beijou
E eu também disse que tudo aquilo talvez fosse passar
Mas não passou
Por algum tipo de fraqueza ou de sorte
Mesmo que não fosse tão forte
Aquilo tudo cresceu
E não foi da noite para o dia (e nem vise versa)
Hoje eu me peguei olhando profundamente pro meu eu,
Mas lá no interior
Onde tudo esteve tão confuso
E hoje às vezes senti a solidão tão de pertinho,
A verdade ela é plural, e o correto não há
E até que eu quisesse fugir
Ou um dia talvez recomeçar
Tudo aquilo que um dia fez tanto e tampouco sentido para nós dois
Eu estaria me enganando
Fugindo de mim mesma
Estaria correndo de mim
De você
De nós dois
A verdade ela é plural, continental e por vezes distante
Não sabemos a ordem, mas ainda assim faremos, fazemos planos
Não sabemos sobre as surpresas, e nem elas sobre nós
De nada temos certeza
Só mesmo daquilo que eu guardo em mim
Sinto em mim
Para você,
Que um dia já me olhou com tanta vontade de amar
E eu um dia me deleitei nos braços de voar,
Reparo, afago, me jogo, me deito, e voo
Para que tudo aquilo que hoje faz mais sentido, mesmo sendo confuso às vezes
Para que possamos aproveitar cada minuto juntos
Ou distantes
Ou equiparantes
Para que nós dois, sejamos nós dois
Pequenos, porém grandes
Pretensiosos e desesperados
Aliviados e totalmente desregulados
Porém, definitivamente
Apaixonantemente
Amantes para todo sempre.



Marina Ramos 

Nenhum comentário:

Postar um comentário